Como identificar os talentos-chave que diferenciam o seu negócio

Tempo de leitura: 8 minutos

Os talentos-chave de um negócio dizem respeito aos conhecimentos, habilidades, valores e atitudes das pessoas que dela fazem parte, e são a principal fonte de diferencial e vantagem competitiva no mercado. 

Além disso, a presença de um time qualificado é um dos fatores que mais influenciam a trajetória de crescimento do negócio e sua capacidade de atrair investimento.

Muitos empreendedores não têm clareza exata das competências que o seu negócio possui ou quais são aquelas que o diferenciam dos concorrentes. Neste texto, ajudaremos a reconhecer quais das competências que seu negócio já possui são as mais relevantes e quais talentos-chave ainda faltam, além de trazer exemplos de competências importantes para cada área do negócio.

Identificando os talentos-chave

Para definir quais são os talentos-chave que devem existir na sua equipe, é preciso olhar para três grandes blocos:

  1. Processos atuais: o que a empresa precisa realizar hoje para que possa se manter? Quais meus diferenciais competitivos e o que eu preciso fazer para que eles existam?
  2. Estratégia da empresa: para onde ela quer ir? No que ela quer se tornar? O que é necessário ser feito para que isso aconteça?
  3. Atitudes e valores: quais são as características mais intangíveis que são importantes que o time tenha?

Vamos detalhar cada um deles.

1. Processos atuais

De forma geral, a empresa precisa que sejam executados determinados processos para que ela exista e se diferencie, e os talentos-chave que ela precisa são aqueles capazes de executá-los.

Processos estruturantes

Alguns processos são estruturantes, que permitem o negócio fazer o necessário para se sustentar e qualificar para o mercado. Então, é preciso entender os critérios de qualificação do mercado em que atua, bem como as questões que são premissas para a existência do negócio, como a saúde financeira, por exemplo.  

No Quintessa, aceleramos um negócio que tem um modelo com descasamento de caixa inerente, o que leva à necessidade de que se tenha disciplina financeira e que captações de dívida sejam algo constante. Ou seja, o financeiro é um processo estruturante que demanda um talento-chave. 

Na falta de uma figura estratégica para a área financeira, um sócio assumiu a posição. Porém, apesar de ele ter um papel estratégico, não tinha o conhecimento da área financeira, e a empresa seguia com caixa imprevisível e grandes dívidas que não eram saudáveis ou adequadas. 

Por isso, tendo clareza dos talentos-chave, é importante analisar se aqueles que já estão sendo desempenhados estão nas mãos de pessoas que tenham a expertise suficiente para executá-los com qualidade.

Processos distintivos

Além dos processos estruturantes, a empresa desempenha também os processos distintivos, que são os que geram vantagem competitiva para o negócio se diferenciar. Para identificá-los, a primeira questão a ser levantada é: o que torna o meu negócio único na visão do consumidor? 

É importante olhar para toda a sua operação para entender o que está levando a empresa a construir (ou não) a diferenciação perante seus concorrentes e substitutos. Além de olhar para os próprios clientes, você deve olhar para os seus competidores para entender aquilo que é valorizado neles pelo mercado e que você não faz hoje. 

Pense quais são as competências que você já possui e te diferenciam, e quais os recursos que estão faltando para essa diferenciação. Isso te ajudará também a entender as atividades que poderiam ou não serem terceirizadas, por serem ou não essenciais à sua atividade principal. 

Um exemplo no Quintessa é de um negócio que se diferencia no mercado pela qualidade da sua curadoria de conteúdos. A responsabilidade de escolher bons conteúdos é, portanto, um talento-chave a ser valorizado e garantido.

Ao mesmo tempo, olhando para a concorrência, existe um negócio que tem uma força de vendas muito forte, com expertise em marketing e capital financeiro para ter boa presença em diversos canais. Portanto, o comercial foi reconhecido como um talento-chave a ser desenvolvido/adquirido para o negócio poder crescer no mercado.

No caso dos processos distintivos, se o negócio estiver em múltiplos mercados (B2B e B2C, por exemplo), pode fazer sentido isolar a análise para cada mercado ou aprofundar o olhar apenas naqueles que forem os mais importantes para a empresa, financeira e estrategicamente.

Por vezes, não se sabe se determinado membro do time tem fit com um talento-chave necessário. A depender da necessidade da empresa, ela pode arriscar e testar o fit da pessoa com a competência que ela precisa ter, dando apoio para desenvolver tal competência, ou trazer alguém novo para o time.

Vale aqui uma ponderação também ao estágio do negócio. Como falamos neste texto, a medida que o negócio cresce, demanda mais robustez para a equipe. No início, portanto, não será possível – e nem necessário – ter todas as competências.

Competências como gestão de pessoas e visão financeira, por exemplo, começam sendo competências que pertencem a uma pessoa e evoluem para se tornarem áreas específicas em um estágio de maior maturidade da empresa. 

2. Estratégia de crescimento da empresa

Depois de entender o que o seu negócio precisa para se qualificar e diferenciar, é importante também reconhecer os talentos chave necessários para alcançar sua visão de longo prazo. 

O primeiro passo é resgatar a visão de futuro do negócio, entender para se onde quer ir e o que quer se tornar. E em seguida, avaliar quais são as atividades que precisarão ser feitas quando a empresa chegar lá, e quais as competências necessárias para isso. Uma opção para fazer esse exercício é desenhar o organograma do futuro da empresa. Isso te ajudará a ter clareza de competências que talvez não sejam necessárias agora, mas que precise começar a desenvolver em breve.

Por fim, entenda quais as competências necessárias hoje para ir em direção a esse futuro estratégico, e cruze isso com as competências que existem dentro de casa.

Por exemplo, no Quintessa aceleramos um negócio que hoje vende softwares básicos para o governo, e sua visão de futuro é desenvolver novos softwares a partir de inteligência de dados e gerar modelos preditivos para a gestão pública. Para isso, o negócio já sabe que precisará ter, além do organograma atual, estatísticos e especialistas em políticas públicas em breve no seu time. 

Leia mais: Como embasar um bom planejamento estratégico

3. Atitudes e valores

Além de uma análise mais prática dos processos do negócio e dos recursos necessários, é importante considerar também competências mais intangíveis. 

Os aspectos comportamentais podem ser decisivos para o sucesso da empresa e não existe uma fórmula certa do que a empresa deve ter ou não. Nesse caso, é necessário avaliar o alinhamento da pessoa com os valores e crenças da empresa e a complementaridade com os perfis dos colaboradores atuais.

Esse ponto é ainda mais importante no perfil de sócios(as). No Quintessa valorizamos algumas características que acreditamos ser relevantes para empreender, como abertura para rever premissas, fibra ética, desejo de crescer, capacidade de assumir riscos, entre outras.

Como fazer para evitar que o negócio perca sua vantagem competitiva caso os colaboradores que sejam os detentores dos talentos-chave saiam?

A primeira forma é a sistematização do conhecimento e experiência das pessoas. A criação de metodologias e, principalmente, processos, é uma forma de transformar competências pessoais em competências organizacionais. Por exemplo: um vendedor que descobriu o momento certo de falar cada argumento de venda para o cliente pode criar um manual de vendas com uma árvore de decisão para ser usada pelos outros vendedores da área.

Outra forma é a transformação de determinadas competências em elementos culturais da empresa. Por exemplo: uma competência como “orientação para resultados” pode ser estimulada com um programa de participação nos resultados ou incentivos não financeiros.

A competitividade de uma empresa no longo prazo depende desse processo de aprendizagem organizacional. Porém, tão importante quanto isso é ter uma cultura e política de remuneração que sejam capazes de reter profissionais que detenham os talentos-chave.

Esperamos que o texto tenha ajudado a entender quais são os talentos-chave e competências que de fato irão determinar o diferencial e a maturidade do seu negócio. Nos programas do Quintessa este processo é feito de forma aprofundada com nossos mentores e gestores, e nosso time está à disposição para te apresentar como trabalhamos essas pautas ao lado dos empreendedores.

O que você achou desse texto?

Obrigado pelo feedback!

Acompanhe nossas redes sociais.

Como podemos melhorar nossos conteúdos?

Conte-nos o que achou do texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *